Siga por Email

10 de agosto de 2011

O mundo do sobrenatural

Fico imaginando como seriam os seres sobrenaturais se sucumbissem à moda politicamente correta que vivemos atualmente... Existem determinados comportamentos que não são apreciados pelo concenso social... Como fumar? Se Hellboy fosse se preocupar com isso, aquele charuto em sua boca daria lugar a uma barrinha de cereal... E quem respeitaria o cara?

E se os zumbis não comessem carne? Aderissem a bandeira da alimentação vegetariana... Primeiro que eles não seriam tão assustadores assim, porque ao invés deles atacarem os humanos, eles causariam o extermínio de árvores, platas, gramas, arbustos, raízes, cogumelos... Eles seriam o terror dos agricultores... Eles seriam como os exploradores que dizimam a Amazônia todos os dias. Já imaginou uma árvore passar por você correndo e gritando de medo dos zumbis vegetarianos? Eles não teriam cheiro ruim, não sofreriam com prisão de ventre, não tirariam o sono das pessoas.

E os vampiros? Chupar sangue? De que forma? Hoje em dia o que não faltam são doenças pra se transmitir... Quer chupar o sangue, precisa antes fazer um ISO 9001 na galera. E se fossem vegetarianos? Seria até ridículo ver um vampiro grudado numa árvore tentando chupar a ceiva da planta. Ao invés de pessoas se transformando em vampiros, teríamos árvores se transformando. Floricultura seria negócio de risco.

E o lobisomem? Seria uma fera bestial atacando sacolões de frutas e verduras. Uma fera que atacaria caminhões do ceasa e destruiria sacas de batatas e cenouras. O único susto seria pra não atropelar esse bicho.

E se os fantasmas e aparições pedissem licença para aparecer em sua vida? Prosseguirei num próximo momento estas reflexões...

1 de agosto de 2011

Divagações do tempo da praia

Toda vez que chega o final do ano, fica aquela vontade de ir pra praia. Resta saber: onde? Sou o tipo de pessoa que não escolhe o destino pela vontade, mas pela disponibilidade do pouso? Quem vai emprestar a chave da casa da praia? Essa é a pergunta das férias?

Coisas que eu aprendi indo para a praia:

- Há miojo de todos os sabores. Pizza, galinha, carne, oriental, legumes, tomate, cenoura, daqui a pouco a gente vai ver miojo sabor cerveja, cozinha em três minutos e não importa muito o sabor, porque o resultado é a ressaca.

- Não importa o tempo... É essencial que se entre no mar. Quer coisa mais frustrante do que ir pra praia e não poder entrar por algum motivo? Não senhor, nem que esteja chovendo canivete, tem que entrar no mar.

- Milho cozido combina com praia. Eu queria saber quem foi o inventor do milho cozido na praia? Água de coco a gente entende... Sorvete, beleza, sanduíche natural, ok. Milho cozido é difícil de entender. 

- A gente descobre a importância do protetor solar só depois que se queima no primeiro dia de praia. Não adianta. É de consenso social que você precisa sofrer com as queimaduras. E pior é que todo mundo dá a mesma desculpa... Foi a água viva do mar.

- Catar conchinhas não é mais uma prática saudável. Antes de catar conchinhas você deve lembrar que os cachorrinhos andaram pela praia deixando suas conchinhas orgânicas entre os acessórios do mar. Não há nada mais desgraçado do que confundir casquinha do mar com casquinha do cocô seco do maldito cachorro.

- Os móveis da praia sempre são mais detonados e parecem ser sempre mais confortáveis. Ou a sua taxa de tolerância deve mudar quando se está em estado de graça nas férias ou nos finais de semana. O que importa é que aquela geladeira turbo que você tem em casa parece que não é melhor do que a carroça de cubos de gelo que está na casa da praia.

- Dor de dente é caso de polícia. Não existe, geralmente, nestes lugares paradisíacos, estrutura de emergência de saúde. Resta a você ter a compreensão de que uma simples dor pode acabar com aquela alegria toda.

- Por mais seja linda a praia, tem sempre um esgoto desembocando. É pra mostrar a realidade pra gente. Não importa a beleza, sempre há uma forma de fazer merda.

- Sempre surge uma ideia genuinamente nova que você carrega ela por muito tempo, até cair no esquecimento. Aí volta-se pra praia e lembra que aquela ideia realmente não era pra você...